Consumismo: quais consequências que gera na nossa vida?


Em um mundo globalizado, dominado pelo capitalismo, o consumo está diretamente interligado ao desenvolvimento da sociedade. Quanto mais se consome, maior seria o desenvolvimento e a estabilidade econômica de cada estado e região.

Para os pesquisadores, o consumo desenfreado é reflexo das diversas crises econômicas que o mundo já enfrentou e vem enfrentando. Estudos apontam que a sociedade atual reconhece que o consumo é sinônimo de felicidade e bem estar, e até mesmo de prestigio e de status.

Veja o vídeo a seguir para refletir um pouco sobre essa questão:



As pessoas, devido ao sistema que vivem, onde o importante é o que você tem e não que você é, tendem a desenvolver distúrbios caracterizados pela compulsão em comprar coisas desnecessárias que talvez nunca usarão. Além disso, elas são influenciadas por um dos maiores difusores do consumismo: a mídia. Todos os dias somos “bombardeados” com milhares de propagandas. São milhões e milhões de gastos para tentar nos fazer comprar os produtos.

O consumismo também causa conseqüências à sociedade, já que contribuem para o processo de degradação das relações sociais. Muitas vezes, excluímos pessoas, as julgamos, pelo simples fato de ela não possuir tal coisa ou não estar com “roupas da moda”. É surpreendente como uma pessoa é “crucificada” pelo simples fato de não se submeter ao sistema que privilegia poucos, faz você valer o que possui, e que paga centavos a uma criança chinesa para produzir produtos que são vendidos do outro lado do mundo, por preços absurdamente altos. Além de conseqüências ruins ao consumista, que sofrem processos de alienação, multiplicação de supérfluos (que contribuem para o processo de degradação das relações sociais e entre sociedades) e a oneomania (que é um distúrbio caracterizado pela compulsão de gastar dinheiro que é mais comum nas mulheres tomando uma proporção de quatro por um).

Mas a parte mais desastrosa é a do meio-ambiente. Como é possível um planeta suportar um sistema em que a lei vigente é: “use, descarte, compre sempre o novo”? Estamos destruindo a Terra para satisfazermos nossos prazeres supérfluos, que incentiva o desperdício e gera uma enorme quantidade de lixo. Estamos caminhando para um colapso ambiental e prova disso são as mudanças climáticas que vem ocorrendo no Planeta Terra.

O problema é que há uma relação estreita e forte entre o consumismo, a sociedade e o meio ambiente. Isso porque para atender a demanda da produção e do consumo é necessário retirar matérias primas da natureza, fabricar e transportar materiais, fazer grande uso de energia elétrica e de água, entre outros. Tudo isso, gera emissão de gases poluentes, degradação e devastação ambiental, poluição geral e, consequentemente, a destruição de ecossistemas.

Essa relação entre consumo e sustentabilidade, no entanto, vai além da etapa de produção. Com a grande quantidade de opções e a alta tecnologia, cada vez mais os produtos tem menor tempo de vida útil e maior dificuldade de conserto, o que gera um enorme número de resíduo eletrônico.

Nesse sentido, com o aumento dos problemas ambientais, muitas empresas e organizações se unem para procurar maneiras de fazer com que o país se desenvolva de forma sustentável, a fim de garantir seu progresso sem comprometer o futuro. Algumas estratégias e políticas foram instituídas para possibilitar mudanças nos padrões de consumo. A educação ambiental é um importante passo para o desenvolvimento sustentável. Isso porque, é preciso conscientizar todos os setores da sociedade para que haja um movimento completo e eficiente em prol do meio ambiente.

Nossa relação de consumo atual está nos levando a uma séria crise ambiental. Por isso a urgência em trabalhar políticas mais eficientes e concretas sobre esse tema. Já estamos atrasados, mas ainda há tempo.

O consumo consciente e responsável pode ser ensinado as crianças, independentemente da idade. Além de ensiná-las a adquirir produtos de qualidade e de acordo com as necessidades a fim de não desperdiçar, mas economizar dinheiro.

Algumas medidas podem ser tomadas quando o assunto é consumir. A primeira delas é; saiba dizer “não”, ensine a criança que antes de gastar o dinheiro é preciso ganhá-lo (explique o valor do trabalho), deixe-a participar de momentos em família, como ir ao supermercado. Antes de sair para as compras faça anotações com a criança do que estão realmente precisando e a deixe administrar e negociar pequenas compras, obviamente com supervisão.

Consumir não envolve apenas a aquisição de produtos, é relacionada também a: o que consumir, porque consumir, como consumir e de quem consumir. Claro que também entra o uso e descarte do produto adquirido. O consumidor consciente visa não apenas a satisfação pessoal, mas também a sustentabilidade. Prescreve as consequências de seu consumo de forma positiva e minimiza o impacto na sociedade e no meio ambiente em suas relações sociais, econômicas e de natureza.

A forma de consumo consciente pode ser praticada no dia a dia, em pequenos gestos que leve, os impactos da compra, uso ou descarte dos produtos. Portanto, a conscientização não se trata de fazer sacrifícios, mas sim de ter consciência do que se pode mudar, mesmo que se já gradativamente, em hábitos que são onerosos para a sua vida, de outras pessoas e do planeta, em âmbito geral.



FONTES:
ECOTELHADO. Consumismo: Você sabe as consequências que geram na sua vida? 2016. Disponível em: <https://ecotelhado.com/consumismo-voce-sabe-as-consequencias-que-geram-na-sua-vida/>. Acesso em: 25 maio 2017.

ENEM, O. Consumo e Consumismo - Atualidades Enem e Vestibular. 2016. Disponível em: <http://oenem.com.br/noticias/consumo-e-consumismo-atualidades-enem-e-vestibular-159.html>. Acesso em: 25 maio 2017.

PARA SABER MAIS:


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Algumas reflexões iniciais sobre os movimentos sociais!!

Chernobyl e Césio em Goiania - 31/30 anos depois

Trabalho escravo é ainda uma realidade no Brasil e no mundo!