Mulheres na Engenharia: quebrando paradigmas



Cada vez mais mulheres escolhem a Engenharia como profissão e conquistam aos poucos seu espaço, trabalhando em parceria com os profissionais do sexo masculino. Mas essas conquistas ainda vêm acompanhadas de muitos desafios, como a condução com sucesso e responsabilidade de uma dupla jornada, já que muitas dessas engenheiras são esposas e mães, além de atuarem em cargos de liderança, conforme explica a engenheira Ester Feche Guimarães, associada e membro da Diretoria da ABES-SP. “As empresas de engenharia têm, em média, 20% de mulheres em seu corpo técnico. Até 20% dos cargos de média gerência em áreas de gestão e centros de pesquisa são ocupados por mulheres, mas somente 3% delas ascendem ao primeiro escalão.

Apesar da participação masculina ainda ser muito superior à feminina no setor, esta diferença está cada vez menor. Segundo dados do Sindicato dos Engenheiros do Estado de São Paulo, as mulheres continuam minoria na engenharia, mas em 2013 chegaram a 19% dos empregados formais. São 17.875 no total de 92.478. Em 2003, eram 7.829 e representavam 15%. Outro dado significante é a redução da disparidade por gênero. Em 2003, as engenheiras tinham salários que representavam em média 75% dos pagos aos seus colegas do sexo masculino. Em 2013, já obtinham remuneração equivalente a 81%.

Nesse viés de superação, pela primeira vez na história, o número de mulheres ultrapassa o de homens em um curso de engenharia nos Estados Unidos – um país em que, em média, só 19% dos diplomas da área vão para mulheres. Neste ano, na Universidade de Dartmouth, nos EUA, entre os formandos do curso de engenharia, 54% são mulheres.

Esse cenário representa uma grande mudança se compararmos com o ano de 1957, quando Evelyna Bloem Souto era a única aluna mulher a frequentar a primeira turma de engenharia civil da USP São Carlos. Nessa época, o meio era tão machista que Evelyna foi proibida de entrar no campo de obras de um túnel que estava sendo feito para ligar a França à Itália. Para conseguir realizar a visita, ela precisou vestir roupas masculinas, prender o cabelo e pintar uma barba e um bigode no rosto.
Aqui no Brasil, a situação das mulheres na engenharia melhorou desde o cenário grotesco de Evelyna, mas os números ainda são desiguais: entre os calouros da engenharia civil na USP São Carlos em 2014, elas representavam 36% dos alunos.
Entre os aprovados na Escola Politécnica da USP, 92,7% eram homens e apenas 6,3% mulheres. Ou seja: ainda há muito a ser feito para que a igualdade seja alcançada – e talvez as nossas universidades possam se espelhar na solução encontrada por Dartmouth para mudar o roteiro desse filme.

Além do número menor de mulheres, a escola Politécnica vem sendo alvo de denuncias de preconceito, racismo e sexismo. Estudantes dos cursos da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP) se uniram em um vídeo da música “Survivor” (Sobrevivente, em português) para chamar a atenção para o preconceito enfrentado pelas mulheres no curso de Engenharia. Na gravação, que já alcançou milhares de visualizações no YouTube, as jovens aparecem apagando palavras e expressões escritas pelo corpo, como “preta”, “mal amada”, “sexo frágil” e “cara de empregada”.



Os especialistas acreditam que a sociedade, em especial a brasileira, ainda mantém uma visão estereotipada do cientista, ou seja, vê a ciência e a tecnologia como atividades masculinas. Há uma implicação direta disso com a imagem positivista de ciência e de tecnologia e também de como o gênero não fez parte das construções históricas disponíveis acerca do conhecimento científico e tecnológico, o que acaba levando a essas disparidades entre homens e mulheres no universo das engenharias.

Trazendo para a discussão os Objetos do desenvolvimento sustentável, temo no objetivo 5. Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas. Onde para isso acontecer é necessário acabar com todas as formas de discriminação contra todas as mulheres e meninas em toda parte; eliminar todas as formas de violência contra todas as mulheres e meninas nas esferas públicas e privadas, incluindo o tráfico e exploração sexual e de outros tipos; eliminar todas as práticas nocivas, como os casamentos prematuros, forçados e de crianças e mutilações genitais femininas; reconhecer e valorizar o trabalho de assistência e doméstico não remunerado, por meio da disponibilização de serviços públicos, infraestrutura e políticas de proteção social, bem como a promoção da responsabilidade compartilhada dentro do lar e da família, conforme os contextos nacionais; garantir a participação plena e efetiva das mulheres e a igualdade de oportunidades para a liderança em todos os níveis de tomada de decisão na vida política, econômica e pública; assegurar o acesso universal à saúde sexual e reprodutiva e os direitos reprodutivos, como acordado em conformidade com o Programa de Ação da Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento e com a Plataforma de Ação de Pequim e os documentos resultantes de suas conferências de revisão; dar às mulheres direitos iguais aos recursos econômicos, bem como o acesso a propriedade e controle sobre a terra e outras formas de propriedade, serviços financeiros, herança e os recursos naturais, de acordo com as leis nacionais; aumentar o uso de tecnologias de base, em particular as tecnologias de informação e comunicação, para promover o empoderamento das mulheres; adotar e fortalecer políticas sólidas e legislação aplicável para a promoção da igualdade de gênero e o empoderamento de todas as mulheres e meninas em todos os níveis


FONTES:
ABES. Mulheres na engenharia: conquistas e desafios. 2015. Disponível em: <http://abes-sp.org.br/noticias/19-noticias-abes/6700-mulheres-na-engenharia-conquistas-e-desafios>. Acesso em: 31 maio 2017.

BRASIL, Onu. Objetivo 5. Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas. 2017. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/pos2015/ods5/>. Acesso em: 31 maio 2017.

ORGUEL, Grupo. Quem disse que engenharia não é coisa de mulher? 2017. Disponível em: <http://www.grupoorguel.com.br/blog/quem-disse-que-engenharia-nao-e-coisa-de-mulher/>. Acesso em: 31 maio 2017.


VALE A PENA ASSISTIR:

PARA SABER MAIS
Além das engenharias ... Carmen Lúcia sobre ser mulher no STF: 'Não nos deixam falar, então nós não somos interrompidas'


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Algumas reflexões iniciais sobre os movimentos sociais!!

Chernobyl e Césio em Goiania - 31/30 anos depois

Trabalho escravo é ainda uma realidade no Brasil e no mundo!